Tabela de comportamentos [como fazer uma]

Novembro 23rd, 2010
Google Buzz

Recebemos um contacto a pedir indicações para uma tabela de comportamentos, pelo que vamos falar um pouco sobre este assunto e explicar como podem criar uma tabela de comportamentos.
Já falamos sobre estas tabelas anteriormente. As tabelas de comportamento servem para controlar os comportamentos que queremos mudar; isto pode ser feito de várias maneiras, como por exemplo, incentivando os bons comportamentos ou diminuindo o número de vezes que os comportamentos ocorrem. Estas tabelas são feitas especificamente para cada criança e utilizam-se vários processos para as construir.

Tras la cortina
Por Raúl A. no Flickr

Vamos dar o exemplo de uma.
Imaginemos que há uma criança que está a “portar-se mal“; primeiro é preciso definir o que é “portar-se mal“, se é gritar, se é bater, se é atirar-se para o chão.

O segundo passo é escolher qual o comportamento que vamos mudar, porque não podemos mudar todos ao mesmo tempo – começamos sempre com um e só depois deste ter diminuído ou desaparecido é que podemos trocar por outro -.

O terceiro passo é evitar o mais possível situações que provoquem esse comportamento, porque assim diminuímos logo o número de vezes que os comportamentos ocorrem. Por exemplo, imaginemos que a criança não quer fazer os trabalhos de casa; podemos alterar a situação tentando perceber qual a melhor altura para ela fazer os trabalhos de casa, se quando chega da escola e antes de brincar ou se precisa de brincar e depois do lanche já estará mais disponível para trabalhar.

Controlando o ambiente, podemos então começar a mudar os comportamentos. Assim, o quarto passo é informar todos os adultos que estão com a criança no contexto onde ocorrem os comportamentos para saberem qual é o comportamento a mudar, qual a consequência para a criança quando este comportamento ocorre e qual a consequência (recompensa) quando a criança controla o comportamento.

O quinto passo é informar a criança; ela tem de saber com precisão o que pode fazer, o que deve evitar e o que acontece nas duas situações. Vou dar um exemplo: explicamos à criança que os trabalhos de casa têm que ser feitos sempre que o professor os mandar. Se ela fizer todos os que foram mandados durante a semana, no fim-de-semana pode escolher entre ver um filme ou brincar 30 minutos com o jogo favorito dela. Nesta altura podemos fazer a tabela em conjunto com a criança (por exemplo podem fazer no computador uma tabela, onde na 1.ª linha escrevem os dias da semana e a segunda linha fica em branco ; combinam o símbolo para “sim” –ex, um sorriso, uma boneco, um sol…- e um símbolo para “não” –ex, um smile triste, um boneco triste uma nuvem…- que depois colam conforme a situação).

Uma nota sobre as recompensas: estas são escolhidas pelos adultos, dentro dos gostos e interesses das crianças; pode ser um passeio, ver um filme, jogar a um jogo, convidar um amigo para brincar, … Não se deve recompensar com presentes ou comida, nem oferecer a escolha à criança (porque aí ficamos dependentes dela) mas sim a opção entre duas recompensas oferecidas por nós.
Ora bem, o sexto passo, depois de nos certificarmos que a criança compreendeu bem o que é esperado dela, é afixar em sítio visível (no frigorífico, num quadro de cortiça, …) e preencherem todos os dias.

Evite estar sempre a falar no quadro ou lembrar à criança; basta perguntar antes do jantar se os trabalhos estão feitos e assinalarem no quadro; a partir daí não é preciso falar mais sobre o quadro a não ser no fim-de-semana quando forem verificar se há recompensa ou não. Se não houver recompensa, diz-se à criança apenas que esta semana não vai haver porque não foi feito o que combinaram, mas que na próxima semana tem novamente hipótese de ganhar a recompensa.

Free Blue Baby Angel Creative Commons
Por Pink Sherbet Photography no Flickr

Isto não é uma fórmula para todas as crianças; algumas precisam de recompensas diárias, outras conseguem esperar mais tempo; nem sempre são fáceis de aplicar e os adultos têm de ser muito coerentes ou senão não funciona.

No próximo artigo vamos colocar um exemplo de uma tabela um pouco complexa para servir de exemplo.

  • http://impactodapedagogiamoderna.blogspot.com/ julia virgina de moura

    Excelente. Uma por vez, já vai ser como exemplo para os outros!!